O Espírito do Pantanal: 10 Anos

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

EU ESTOU DE VOLTA!

Boa noite amigos(as), estou reativando este blog, atendendo a pedidos de fãs do meu
trabalho autoral O Espírito do Pantanal - e muitos outros que virão.

Concedi mais entrevistas para mídias internacionais, já que INFELIZMENTE a mídia nacional caga e anda para quem produz de forma amadora e independente, supervalorizando a "cultura" comercialmente viável (Aquele papo de arte de supermercado) para os grandes meios de massa. Até as redes sociais não tive sucesso no marketing do meu trabalho, imagine na TV Globo da vida.

ENTREVISTAS:
Enquanto este blog estava desativado, concedi entrevistas para os principais meios de comunicação internacionais, são eles (seguido da data em que foi registrada):

Voz da América - 03 de julho de 2016
RAE Argentina Ao Mundo - 23 de novembro de 2016
SBS Radio em Português - 09 de abril de 2017

Nesse meio tempo criei uma conta no Instagram para postar alguma ilustração eventual
de minha autoria, ou de algum personagem preferido, ou aleatória, de inspiração qualquer...
E, finalmente, compatilho aqui o link para que você possa ler e baixar O Espírito do Pantanal de forma gratuita em PDF e mostrar para quem aprecia quadrinhos nacionais amadores, tão demonizados.

Sugestões para meu retorno são bem-vindas...

quinta-feira, 9 de abril de 2015


domingo, 22 de fevereiro de 2015

Um gigante cai: Adeus Renato Rocha

Pindamonhangaba São Paulo Brasil
22 de fevereiro de 2015.

Era para ser um domingo, típico de minha  existência patética. Patética por que? Porque nada acontece, sei lá... Um agito para revigorar a alma; uma experiência de vida, ou qualquer outra coisa que chute para bem longe esse tédio mórbido. Se não fosse por um detalhe: hoje é um dia muito triste para a música brasileira.

Morreu hoje de manhã, por volta das 8h30 de uma manhã de sol, o injustiçado baixista do Legião Urbana, Renato Rocha. Injustiçado, mas ele ainda é lembrado pelos fãs. Ele estava em Guarujá(SP) passando por um processo de desintoxicação em uma clínica por intermédio de Giuliano Manfredini (o filho do Cara!) após aparecer em um programa de variedades na TV Record mendigando na rua no centro do Rio de Janeiro.
Durante os primeiros discos da Legião Urbana, ele registrou em todas as faixas - mais a "A Canção do senhor da Guerra" do LP "A Era do Halley" de 1986, lançado pela Somlivre/TV Globo - um baixo cru, pegado, rápido e firme. Rocha não suava palheta. Nem mas faixas mais rápidas, como "Metrópole" do LP "Dois", "Petróleo do Futuro" e "Baader-Meinhoff Blues" do primeiro LP "Legião Urbana"(cuja faixa o Charlie Brown Jr cagou diarreias...). Era um baixista e tanto. Na verdade, ele entrou por causa da tentativa de suicídio do Renato Russo após uma recusa de uma companhia de gravar o primeiro debut da banda, assim cortando os pulsos, o impedindo assim de tocar baixo...

Com Russo livre para apenas compor, tocar teclados, violão e soltar as bestas, Rocha se encarregou de segurar as quatro cordas. Dos quatro ele que menos "aparecia" - tão talentoso quanto os demais, mas era ofuscado pelo trio original Russo/Bonfá/Villa-Lobos. E nem por isso deixavam de se respeitar.


Renato Rocha(a esquerda) com a Legião Urbana na rampa do Congresso Nacional durante a divulgação
de "Que País é  Esse". Divulgação/Arquivo Legião Urbana - Fonte: G1.com


Infância e adolescência

Renato Rocha nasceu em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em 27 de maio de1961, mas mudou-se para Brasília em 1970, aos nove anos, porque seu pai, militar, havia sido transferido para capital nacional. O primeiro lugar de Brasília em que Renato Rocha viveu foi na W3, onde ficou de 1970 a 1974. Em 1974, Renato Rocha mudou-se para a quadra 306, onde passou a ter contato com a banda Tela, uma das várias bandas brasilienses surgidas na década de 1970. Nessa época, Rocha também começou a fazer bicicross (BMX). Apesar do contato com a banda Tela, Rocha nunca a integrou'. Os primeiros apelidos de Renato Rocha foram: "Renatão", por causa de seu tamanho, e "Romeu", herói olímpico grego das lutas – o músico sempre foi brigão. Quando entrou para o time de vôlei da AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), ganhou o apelido de "Negrelle", que foi um famoso jogador do clube. Mais tarde, porém, o apelido foi mudado para "Negrete", numa brincadeira de seus amigos com o sotaque francês. Ainda em Brasília, Renato Rocha foi membro da facção "hardcore" dos "punks" dessa cidade (gangue dos Carecas). Renato Rocha mudou-se logo depois para a Quadra 16, onde passou a ser amigo de Geruza, o ex-integrante das bandas Escola de Escândalos e Blitx 64. Nessa mesma época, através de Geruza, Renato Rocha conheceu Andre Pretorius, Renato Russo e Fê Lemos.

Carreira Musical

A primeira banda que Rocha integrou foi a Gestapo. A banda era formada por Lulu Gouveia; Judas; Joãozinho Viradinha (que depois virou cantor Gospel) e Renato Rocha. Depois, Negrete formou com Toninho Maia a banda Hosbond Kama. Em 1981, ele passou a integrar a banda Dents Kents, composta ainda por Fred (Vocal); Ameba (Bateria – que mais tarde mudou seu nome para Jander e foi para Plebe Rude); Feijão ('Guitarra). O Dents Kents existiu de 1981 a 1982.  A Legião Urbana originalmente era um trio, com Renato Russo (baixo), Dado Villa-Lobos (guitarra) e Marcelo Bonfá (bateria). Renato Rocha ingressou na Legião Urbana logo depois de a banda ter assinado o contrato com a EMI, em 1984, a quatro dias do início das gravações do primeiro LP da banda, auto-intitulado. O motivo foi à tentativa de suicídio de Renato Russo ao cortar os pulsos, ficando assim impossibilitado de gravar. Renato Rocha já era amigo de Marcelo Bonfá, o que facilitou sua entrada para a banda. A partir daí, virou integrante fixo do grupo e compôs "'Quase sem querer" e "Daniel na cova dos leões" e outras canções junto com os membros da banda.

Renato Rocha deixou a Legião em 1989, quando a banda estava prestes a assinar o contrato do álbum As Quatro Estações. Em uma entrevista concedida anos mais tarde, ele afirmou que foi expulso por Renato Russo que, saindo de um elevador, disse: "Você está fora da minha banda". Em entrevistas posteriores, Dado Villa-Lobos revelou que os reais motivos da saída de Negrete foram devido aos seus problemas pessoais com bebidas e atrasos em shows. Após anos, Billy foi convidado a fazer uma participação no álbum Uma Outra Estação, tocando baixo na faixa "Riding Song", que se tratava de uma faixa em que a passagem dos demais instrumentos e o coral do refrão já estavam gravados por Dado e Bonfá. Contudo, como já não havia a voz de Renato Russo, a gravadora utilizou depoimentos gravados em 1986 dos quatro membros da banda em cima do arranjo.

Depois da Legião Urbana, Renato Rocha integrou a banda Cartilage (N. E.: Não confundir com Cartilage, banda de death metal da Finlândia), na qual lançou os discos Cartilage Virtual e Solana Star, cujo nome fazia referência ao navio Solana Star, que naufragou em 1987.

Morador de rua e apoio da mídia

Em 25 de março de 2012, o programa jornalístico Domingo Espetacular, da Record, exibiu uma matéria em que mostrava que o baixista havia se transformado em morador de rua no Rio de Janeiro. A reportagem descrevia a série de acontecimentos que o levaram a perder tudo e ir morar nas ruas cariocas. Especulava também o porquê de os direitos autorais não serem suficientes para que o músico conseguisse tocar sua vida dignamente e também o porquê de sua vida ter se transformado tão radicalmente. Ainda na reportagem, o ECAD comunicou que repassa ao músico um valor de cerca de R$ 900 por mês. Em 2002, em uma entrevista, ele havia afirmado que a Legião Urbana rendia menos de mil reais por mês a ele. Também assumiu fazer uso de maconha, bebidas alcoólicas e que teve uma juventude marcada por estas e outras drogas.

Em 2013, Negrete subiu junto com outros músicos no palco montado no Estádio Nacional Mané Garrincha, no show "Renato Russo Sinfônico". Neste tributo, Renato Russo apareceu no palco na forma de projeção holográfica. Em 2014, foi convidado para uma participação no projeto "Urbana Legion", idealizado por Egypcio, da banda Tihuana. Neste projeto, Negrete voltou aos palcos para tocar os sucessos do Legião Urbana, junto com o também ex-integrante Eduardo Paraná. Em 22 de fevereiro de 2015, por volta das 8h30, uma governanta encontrou o ex-baixista morto dentro de um hotel em Guarujá, no bairro da Enseada, no litoral de São Paulo. Renato deixa um casal de filhos e uma neta



O Artista não morre; se eterniza em sua obra.

Fontes de pesquisa, de de fotos: G1, R7 e Facebook

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Radio France International: Uma entrevista inusitada de Glauber Gleidson Peres


O ano de 2015 começou movimentado. Na sonolenta manhã de 7 de janeiro, a jornalista Adriana de Freitas, da redação de língua portuguesa da Radio France Internationale contactou Glauber Gleidson Peres após um longo período de espera por um retorno - desde 2007 para ser mais exato. 

A redação de língua portuguesa da RFI. A direita de blusa listrada, Adriana de Freitas
(Arquivo: RFI http://portugues.rfi.fr)
Uma de muitas antenas emissoras do Centro Emissor de Issodun,
pertencente a RTF (Arquivo RTF)
"Eu escutava as emissões em português ao continente africano naquela época" relembra. "Na época em que eu ouvia, era de uma hora diária às tardes e chegavam muito bem". As transmissões são feitas através de um centro de emissores de ondas curtas da RTF - Radioteledifusión Francaise - localizado em Issodun, centro-oeste francês, com potência de 250 kW.


A entrevista inusitada se deu ás 6 horas da manhã, horário de verão brasileiro, por um erro de cálculo de Glauber ao se basear pelo fuso londrino que corresponde a hora UTC, utilizada como hora referencial em telecomunicações e aviação internacional. A entrevista foi transmitida dia 11 no espaço Correio dos Ouvintes. Confira!





Se quiserem acessar o link da entrevista no site da emissora, segue embaixo:
↓↓↓
http://www.portugues.rfi.fr/brasil/20150111-passeios-pelas-estacoes-de-esqui-no-correio-dos-ouvintes

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

ADEUS RADIO EXTERIOR DE ESPAÑA! :(

ADEUS RADIO EXTERIOR DE ESPAÑA... :'(

Dia 15 de outubro - hoje portanto - às 00:00 horas UTC foram silenciados para sempre os transmissores de Ondas Curtas situados em Noblejas, província de Toledo, na Espanha. Para sempre...

Eu só pode escutar esta emissora graças a duas pessoas: Estela Viana e Victor Garcia Guerrero. Por culpa deles, eu conheci a mais simpática emissora de rádio de Ondas Curtas
da Europa - ao lado da RDP Internacional e Deutsche Welle, também extintas.
Em 2009, recebi uma carta de Madrid em meu endereço com um cartão QSL, o folder com a grade de frequências e dois adesivos - um deles eu preservei com carinho...


Uma Carta recebida da Radio Exterior de España
em junho de 2009

Todas as tardes de segunda a sexta escutava as emissões que naquela época era de UMA HORA cravada: tinha o famoso CURSO CERVANTES DE ESPANHOL PARA FALANTES DE PORTUGUÊS. Escutei a história contemporânea sendo falada em seus microfones:
A Crise de 2008, os Jogos Olímpicos de Beijing, a Copa do Mundo na África com o título Espanhol, a Primavera Árabe varrendo o norte africano, a morte de Muammar Kadaffi, Bin Laden, etc...

Sim, era diversão sadia!

Foi por estas antenas que escutei a Espanha em português e espanhol; vi o nascimento de uma dupla de jornalistas carismáticos da radiodifusão mundial e também fortaleci meus
laços de sangue ancestrais com a Espanha pelas ondas curtas(Minha família é das Astúrias)...Até o atual Rei espanhol Felipe IV me fazer essa cagada!?
Fazenda de Antenas emissoras de Alta Potência
da RTVE em Noblejas, Província de Toledo (Espanha)
Tive a alegria de receber um chaveiro da emissora que até hoje eu possuo guardado nas minhas bagunças, além dos 3 únicos cartões QSL da emissora (um deles ali em cima). Escuteipor estas antenas nesta foto, um fato histórico para Espanha e para a europa: Uma emissão do dia seguinte da renúncia ao trono de Sua Majestade Juan Carlor I. Uma matéria que fiz a qustão de salvar na minha HD de arquivos dada tamanha impotância do evento.

Durante a Copa do Mundo do Brasil, estava escutei atônito o "AMARILLAZO" da Fúria Vermelha (Perdón por eso trocadillo) diante da Holanda Azeda. Logo após a "Humillación Roja" para alegrar a vida do pessoal da REE, fiz uma caricatura da figura bem conhecida - já citada neste depoimento - por sua voz "estereofônica" usando a camisa da Seleção
Espanhola...Uma não; duas!






A Caricatura dos criadores da redação "brasileira"
da Radio Exterior de España: Estela Viana e Victor Garcia Guerrero




Victor Guerrero nos microfones da RNE. Desenho feito totalmente em CorelDraw.


Durante estes 5 anos de cumplicidade, amizade por esta emissora septuagenária, cujo sinal
chegava "bombando" na faixa - ingrata por sinal - dos 16 metros, e nos 25 metros à noite, quando reprisava. Eu escutava os reprises noturnos das emissões em português, quando voltava da Gráfica União, onde trabalhava. Ao saber de seu fim eterno, não tive dúvidas: atirei no lixo meu velho receptor de ondas curtas. Só escuto AM agora porque as Ondas Curtas viraram uma espécie de "Lixo eletromagnético" onde só se escuta ruídos estáticos, radios brasileiras caipiras e um bando de Estorquistas do Reino de Deus e Missionários do Dízimo.

FILHOS DA PUTA! NEM ME MANDARAM UMA LEMBRANÇA DE SEU ENTERRO?

Glauber Gleidson Peres
Pindamonhangaba, São Paulo Brasil 15 de Outubro de 2014

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

FELIZ ANIVERSÁRIO MERETRIZES DO MEDO - 13 ANOS DE DESGRAÇA!


"Parece que foi ontem, mas foi a exatamente há 13 anos atrás. Pois é... Ontem, domingo 21 de setembro fez 13 anos da criação da série MERETRIZES DO MEDO e, só agora estou postando este texto para recordar como surgiu essa maldição porque meu computador estragou... Naquela época não tinha computador, não conhecia nem o que era CorelDraw; hoje eu como CorelDraw X6 até no almoço!"

Glauber Gleidson Peres apenas escreveu este texto breve para lembrar os 13 anos do surgimento das Heroínas de Moreira César.

"Foi numa quinta-feira de manhã. Fazia um sol ardido - típico de um e...quinócio de Primavera daquele longíquo ano de 2001. Não tinha nome nenhum. O nome surgiu mesmo de um episódio escolar: uma erunião de pais e mestres. Estávamos em aula de inglês no 3º ano B, no período da manhã, quando a então diretora da escola, Professora Marisa chega na sala para reclamar da situação de delinquência escolar. O assunto foi com os pais da turma e os professores. Marisa rasgou elogios a sala - até sobrou pra mim no dia - e não poupou críticas destrutivas às meninas da 7ª Série da época por causar tulmultos na saída do período até causar agressão física a alguns alunos. Foi a Diretora dizer que uma mãe ameaçou a retirar um de seus filhos da escola para levá-los ou para o Deputado Claro César, ou para o Mario Tavares, com medo das 'prostitutas que estudam aqui por medo deles (os filhos) apanharem' que deu a idéia de colocar este nome. Só isso.

O que eu aprendi? Bosta Nenhuma! Aprendi que isso quase me matou. Tenho flutuações de sono, irritabilidade, ansiedade por ficar acordado até 3 horas da manhã destruindo minha saúde desenhando uma obra vazia".


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

A ENTREVISTA PERDIDA: Entrevista de Glauber Gleidson Peres para a NHK World


Uma entrevista considerada "perdida para sempre" nos foi revelada neste  fim  de  julho,  na ocasião do aniversário do "Pai" das Heroínas: Uma entrevista que  Glauber  Gleidson  Peres 
concedera à rede NHK em 2008, por ocasião dos 100 anos a Imigração Japonesa ao Brasil.


A sede da NHK em Tóquio (Japão).

A gravação foi feita pelo prórprio Glauber em 1 de Setembro daquele ano - uma segunda feira - no momento em que ela era transmitida via Ondas Curtas à audiência brasileira, temática da data histórica. Glauber Gleidson Peres, comentando sobre sua lendária entrevista à rede NHK: 

"Era última semana de agosto de 2008. Estava passando na TV a Copa Sul Americana de Futebol; semifinal entre o São Paulo  e Fluminense. Tava 2 a 2 e o jogo muito arrastado. Daí o telefone toca. Era a Rieko Yoshiura, secretaria da redação em português da NHK World Radio Japão me procurando para uma entrevista que iria ao ar na semana do Centenário da Imigração Japonesa ao Brasil (hoje vão 106 anos).

Como diria o sábio japonês "Com um olho no bife, outro no gato", acompanhava o jogo do Tricolor do Morumbi contra o Tricolor das Laranjeiras - perda de tempo - ao mesmo tempo em que concedia a entrevista ao reporter Kan Shirai (para minha surpresa ele é PALESTRINO!). Aproveitei a deixa da emissora japonesa para vender meu bacalhau mal-cheiroso para ganhar alguma fama"

Glauber estava finalizando "O Espírito do Pantanal", uma aventura ecológica que só hoje viu a luz do Sol, graça ao pessoal do Grupo GAEF (Grupo Autonomix de Estudos Filosóficos) e do Agatóide, ambos de Pindamonhangaba(SP).




A entrevista foi gravada em fita cassete por Glauber em sua casa, e arquivada para uma futura divulgação da mesma, só hoje, passados 6 anos desta entrevista que foi ao ar naquela segunda-feira, primeiro de setembro, era para ter a compartilhado antes. Mas só agora ,  o fim de julho de 2014, compartilhar este video com a entrevista gravada em uma fita cassete que o "renegado" guarda em suas coisas como uma recordação de um tempo que se foi. Glauber comenta:

"O audio não ajuda. O aparelho que eu gravei estava sujo de poeira e, limpá-lo deu muito trabalho. Afinal, e equipamento era usado e apanhou bastante."


A entrevista está disponível no Youtube para todos ouvirem seu depoimento sobre sua influência japonesa nos seus trabalhos, ainda amadores.